Destinos Turísticos 20/04/2017 - 15h18

Lugares para conhecer antes que eles sumam

Ha Long Bay, Templos de Bagan, Ilhas Maldivas... Estes e outros destinos turísticos têm uma coisa em comum: correm risco de mudar drasticamente ou de sumirem um dia. Confira alguns desses locais e o porquê de eles estarem em perigo
notícia 0 comentários
Kalamurzing/Shutterstock

Você adora viajar e conhecer lugares novos, dos mais badalados àqueles exóticos e pouco visitados? Caso a sua seleção inclua locais como Machu Pichu, Muralha da China, Ilhas Maldivas ou templos de Bagan, é melhor se apressar porque todos eles, de alguma forma, correm o risco de mudar drasticamente ou deixar de existir. O buscador de viagens mundial Skyscanner fez uma lista com dez destinos que estão em situações desse tipo. Confira abaixo.

Foto: Travel mania/Shutterstock

Templos de Bagan (Mianmar)
Turismo e religiosidade se encontram nos pagodas budistas dos Templos de Bagan, em Mianmar (antiga Birmânia), na Índia, construídos entre os séculos X e XIV. Localizados no sudeste asiático, os templos atraem visitantes pela beleza e pela história. Em agosto de 2016, a região foi atingida por um terremoto de magnitude 6,8 que danificou os templos, deixou três mortos no país e foi sentido até na vizinha Tailândia. Pela localização do Myanmar próxima à extremidade da placa tectônica indiana e pela idade dos pagodas, os templos estão vulneráveis e correm risco de desmoronamento ao longo dos anos.

Foto: Kamira/Shutterstock

Cuba
Único país ainda socialista no Ocidente e marco ao longo da Guerra Fria, Cuba tem passado por mudanças com a abertura econômica e a retomada de relações com os Estados Unidos. Como reflexo desse processo, uma explosão no setor turístico do país. Em 2016, foram 4 milhões de visitantes buscando conhecer a ilha caribenha, um crescimento de 13% em comparação ao ano anterior, e a estimativa é que em 20 anos cresçam consideravelmente os investimentos em hotelaria, podendo alterar as características da ilha. No país, há destinos tanto para quem busca a história contada por Havana quanto pelo visual paradisíaco de Varadero.

Foto: Ivan Kurmyshov/Shutterstock

Ilhas Maldivas
Praias incríveis, romance e luxo formam o visual para quem visita as Ilhas Maldivas. O arquipélago é destino para muitos casais em lua de mel e é referência quando se fala de bangalôs sobre águas cristalinas. Porém, 80% das mais de mil ilhas se encontram 1 m acima do nível do mar. Por conta do aquecimento global, com decorrente aumento do nível do mar, a estimativa é de que as Maldivas podem desaparecer nos próximos 100 anos.

Foto: Perfect Lazybones/Shutterstock

Ha Long Bay (Vietnã)
Com uma paisagem de tirar o fôlego, Halong Bay - ou a “baía onde desceu o dragão” -, ao norte do Vietnã, é considerado Patrimônio Mundial da Unesco. São mais de três mil ilhas de calcário em diversos tamanhos e formatos, com vegetação densa que brota verticalmente das águas verdes e calmas. A região sofre, há anos, mudanças ecológicas devido às vilas de pescadores, à pesca em grandes proporções e ao turismo. Para conter essa deterioração, o governo vietnamita vem tomando providências como diminuir a quantidade de barcos e turistas por dia.

Foto: Ventdusud/Shutterstock

Veneza (Itália)
Ah, o romantismo de Veneza! Construída no século X, uma das cidades mais visitadas do mundo tem afundado lentamente com o passar dos anos e corre risco de desaparecer. O processo acontece devido a um fenômeno natural de deslizamento dos sedimentos da lagoa onde a cidade se localiza e imagens de satélite mostram que ela afunda 2 milímetros a cada ano. Nos últimos anos, a situação tem sido agravada pelo aumento do nível do mar e estima-se que parte das ilhas que formam a cidade estejam debaixo de água até o final do século XXI.

Foto: Aleksandra H. Kossowska/Shutterstock

Machu Picchu (Peru)
Declarada Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco em 1983, a “cidade perdida dos incas” é uma das importantes relíquias  do império pré-colombiano. Formado por um conjunto de construções datadas do século XVII, Machu Picchu tem praças, santuários, fontes, torres, tumbas, residências entre as montanhas da cordilheira peruana. O sítio arqueológico corre risco de desabar por estar localizado a 2.400 m de altitude, pela idade das construções e pelas décadas de turismo sem regulamentação. Por isso, foi estabelecido um limite de 2.500 visitantes por dia.

Foto: ah_fotobox/Shutterstock

Floresta Amazônica (Brasil)
A maior floresta tropical do mundo se encontra em nove países da América do Sul e, há anos, sofre com desmatamento para dar lugar a plantações e criação de gado e com genocídio indígena. É estimado que, anualmente, são perdidos 22.392 km² da floresta. Em relação à população indígena, dos 180 povos que ainda estão na região, a maioria não tem mais que 1.000 representantes. A tribo Akuntsu, por exemplo, é formada por apenas quatro deles.

Foto: Filipe Frazao/Shutterstock

Grande Barreira de Corais (Austrália)
Com mais de 2.300 km de comprimento, a Grande Barreira de Corais é considerada por muitos cientistas o maior organismo vivo do planeta. Nas cristalinas águas azuis moram milhares de espécies marinhas, entre mais de 2.900 recifes, 600 ilhas continentais e 300 atóis de corais. Pelo aumento da temperatura e da poluição dos oceanos, muitas mudanças vêm acontecendo na região. As intensas cores dos corais, por exemplo, vêm se apagando. Estudos mostram, inclusive, que a barreira pode deixar de existir nos próximos 100 anos.

Foto: Marcio Jose Bastos Silva/Shutterstock

Recife (Brasil)
Museus, teatros, igrejas, prédios antigos: Recife é repleta de equipamentos culturais que são pontos turísticos obrigatórios para quem busca imersão na história. Além disso, a capital pernambucana é ponto de partida para quem quer conhecer diversas praias. Hoje, a cidade é um dos grandes centros urbanos do País e sua região metropolitana conta com quase quatro milhões de habitantes. Com crescimento urbano desorganizado e população numerosa, os rios Capibaribe e Beberibe, que banham a cidade, estão sofrendo há anos com a poluição de esgotos e lixo.

Foto: zhu difeng/Shutterstock

Muralha da China
Com muita história para ser vista, a Muralha da China começou a ser erguida em 200 a.C., durante a China Imperial. A construção atrai cerca de dez milhões de visitantes por ano e se encontra com uma série de dificuldades para ser mantida. Com quase nove mil metros de extensão, o ponto turístico tem difícil manutenção e sofre com erosão natural causada pelo vento. Além disso, pela impossibilidade de fiscalização constante, ocorre venda ilegal de tijolos, interferindo na estrutura da muralha.

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

Vídeos

Teaser da nova revista O POVO Norte play

Teaser da nova revista O POVO Norte

anterior

próxima

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS