Gastronomia 19/05/2017 - 15h27

Conheça refeições para lá de exóticas

Carne de tubarão, sopa de ninho de pássaro e vísceras de boi. Será que você se arrisca nessa pedida?
notícia 0 comentários
DictSql({'grupo': 'ESPECIAL PARA O POVO', 'id_autor': 19144, 'email': 'diulianofreitas@opovo.com.br', 'nome': 'Diuliano de Freitas'})
Diuliano de Freitas diulianofreitas@opovo.com.br
Fotos: shutterstock

Avestruz, tubarão, jacaré, rã. Se você pensou em um zoológico, esqueça e imagine um cardápio com base em carnes que estão conquistando os paladares mais exigentes e que se arriscam nessa pedida, as chamadas comidas exóticas.

Termo que nos faz lembrar de opções não convencionais, o exótico encontra significado nos costumes e culturas ao redor do mundo representadas em criações que estão fora dos padrões tradicionais e que apresentam formas, tamanhos e sabores diferentes.

Cada cultura tem sua definição do que é exótico. Aquilo que é saboroso em algumas partes do mundo pode ser totalmente estranho para aqueles que têm estômago sensível. Na gastronomia brasileira, o exótico refere-se aos alimentos que fogem dos padrões - comidas como carne de bode, carne de tubarão venenoso, restos de estômago de boi.

Há quem acredite que não adianta torcer o nariz para essas iguarias e que o melhor é mesmo fugir um pouco do habitual e conhecer sabores mais diferentes da culinária.

Kopi Luwak produzido com grãos extraídos das fezes da civeta, um animal típico da região asiática

Kopi Luwak
O kopi luwak nada mais é que um tipo de café da Indonésia. O curioso é a forma que a bebida é preparada. Primeiro, as sementes são ingeridas por uma civeta, animal comum do continente asiático. Depois disso, acontece a coleta dos grãos que saem nas fezes do animal, após serem limpos é feito o processo de preparação da bebida.

Hakarl, prato feito a partir da carne de tubarão-da-groelândia

Hakarl
Apreciado na culinária islandesa, o hakarl é um prato preparado com restos mortais de tubarão. O detalhe é que a carne utilizada para fazer a iguaria é de tubarão-da-groenlândia, espécie venenosa que habita os fundos do Atlântico. A preparação é simples: após o corte, a carne do animal é enterrada com pedras para apodrecer por até 12 semanas. Depois, é servida em cubos com um palito, tendo como acompanhamento o brennivín, aguardente comum no País. O sabor do prato de tubarão tem efeito semelhante ao da embriaguez extrema.

Sopa de ninho de pássao, tradicional na cultura chinesa

Sopa de ninho de pássaro
Comum na culinária chinesa, a sopa de pássaro é um dos alimentos mais caros do mundo. O prato é feito com ninhos de andorinhas e aves de espécies do gênero. A sopa é como se fosse um caldo de galinha em que são adicionados pedaços de pão, cogumelos e ovos mexidos. O preço pode chegar a U$$ 60 (equivalente a R$ 198). Os ninhos também são usados para a sobremesa com preparo de doces para ser servido após a refeição principal.

Buchada de bode, um prato símbolo da cultura nordestina

O exótico da terrinha
Para quem estão atento ao seu próprio redor, o exótico pode estar no quintal de casa. No Ceará, ainda existem aqueles que nunca experimentaram pratos típicos como a buchada de bode, alimento símbolo da cultura nordestina. O preparo inclui rins, fígado e condimentos, todos colocados em bolsas de até oito centímetros de diâmetro, feitas com o próprio estomago do animal. Já a panelada, outro prato tipo da região Nordeste, é feito com as vísceras do boi. Após tudo ser lavado com limão e ter passado pelo preparo, o prato pode ser servido com arroz branco e farofa feita com farinha de mandioca.

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

Vídeos

Teaser da 11ª edição da Revista O POVO Cariri play

Teaser da 11ª edição da Revista O POVO Cariri

anterior

próxima

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS