MENU POLÍTICO 11/09/2016

Movimento negro organiza o partido Frente Favela Brasil

"PRECISAMOS SER PROTAGONISTAS DA NOSSA HISTÓRIA, neste país fundado sobre três séculos de escravidão"
notícia 2 comentários
{'grupo': ' ', 'id_autor': 16578, 'email': 'plinio@opovo.com.br', 'nome': 'Pl\xednio Bortolotti'}
Plínio Bortolotti plinio@opovo.com.br

O Brasil precisa de um novo partido político? Se depender da Frente Favela Brasil, a resposta é sim. Organizando a frente, que pretende transformar-se em partido, está um dos setores mais destacados do movimento negro no Brasil, a Central Única das Favelas, a Cufa Global, presidida pelo cearense Preto Zezé.

Ele defendeu a ideia em uma das edições do programa Debates do Povo (rádio O POVO/CBN), do qual participou também o professor Hilário Ferreira, pesquisador da história e da cultura negra no Ceará e articulista do O POVO.
 

Para Zezé, nos últimos anos, mesmo com as “forças democráticas e populares” no governo (referência às administrações de Lula e Dilma e algumas administrações municipais e estaduais), houve poucos avanços na “ocupação de espaços de poder” pelo movimento negro.

Os setores de esquerda, diz o presidente da Cufa, “professam e pregam em nosso nome e da nossa causa”, mas, quando estão no poder, secundarizam os temas relativos ao negro, ao jovem e à mulher, que têm orçamentos menores em comparação com as áreas consideradas prioritárias, afirma ele. “Isso é errado, em um país como o Brasil, fundado sobre três séculos de escravidão.”

“A nossa agenda tem de ir além do interesses desses grupos partidários; do contrário, nós vamos virar aquele setorzinho dos pretos, muito querido pelos nossos amigos e pares brancos, mas, no máximo, vamos ter uma secretaria de pretinhos com um computador usado, um telefone lento e uma internet que pega de vez em quando”, ironiza o presidente da Cufa.

Para Zezé, esse tipo de abordagem só pode ser superada com a criação de um partido: “Eu sou entusiasta da criação da Frente Favela Brasil, uma aglutinação de negros e de pessoas moradoras de favelas, que está nascendo para ocupar politicamente o nosso espaço”.

Para o professor Hilário Ferreira, a criação de um novo partido não deveria ser prioridade. Ele diz que o melhor caminho para combater o racismo é a “formação” da população negra. “Não adianta partido com o título ‘preto’ e aí aparecer oportunistas que vão continuar usando essas pessoas como massa de manobra.”

Com trinta anos de militância no movimento negro, Hilário diz que é preciso intensificar o conhecimento político das pessoas (sobre sua história e seus direitos), independentemente de partido, “pois é assim que se fortalece o movimento”.
Preto Zezé rebate afirmando que não aguenta “esperar mais 50 anos” para formar lideranças, por isso, é preciso “começar o processo” de construir o partido. “Precisamos ser os protagonistas, não podemos mais ser coadjuvantes de nossa própria história.”

O movimento pela criação do partido Frente Favela Brasil foi lançado no mês de julho, em uma festa no Morro da Providência (Rio de Janeiro). Na ocasião, o coordenador da frente no Distrito Federal, Anderson Quack, disse que o partido nasce da necessidade de dar “visibilidade e oportunidade às favelas e à população negra do país”.

Ele lembra que 52% da população brasileira é formada por negros e que existem 15 milhões de favelados no Brasil. A população negra brasileira, diz Quack, é do tamanho da Bolívia. Afirma ainda que o PIB (Produto Interno Bruto) das favelas equivale à economia do Paraguai.

Mesmo assim, diz ele, “não temos a devida atenção dos Poderes Públicos de nenhuma esfera, nem na instância municipal, estadual, nem na federal e nem nas instâncias
do Poder Legislativo, Judiciário nem Executivo”.
Cotas
Preto Zezé diz que a Frente Favela Brasil terá cota de 30% para jovens; pelo menos a metade das candidaturas será de mulheres - e a direção do partido será formada somente por pessoas negras.

Partidos
O Brasil tem 35 partidos políticos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE); outras 30 siglas estão empenhadas em
legalizar-se.
 

Créditos
Agência Brasil: “Movimentos negro e de periferia lançam partido Frente Favela Brasil” (http://goo.gl/8cga0V); Rádio O POVO/CBN: “Debates do Povo” (http://goo.gl/95E8bW).

espaço do leitor
Paulo Marcelo Farias Moreira 11/09/2016 07:46
Transcrevo resposta que recebi do Plinio: pelo tamanho dos textos, você dever estar treinando para escrever um romance. Chego a me sensibilizar com a sua obsessão em me ler com tanto cuidado e gastar seu precioso tempo analisando cada linha do que escrevo. COMENTO: Não há obsessão mas gosto de ler o jornal inteiramente.
Paulo Marcelo Farias Moreira 11/09/2016 07:43
O Brasil precisa de um novo partido político? Sempre cabe mais um. Mas seria bom que o Fundo Partidário fosse distribuido de outra maneira. E que a cláusula de barreira seja regulamentada. Lembro que o Partido da Mulher não conseguiu aumentar a participação feminina.
2
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

MEIO POLÍTICO

RSS

MEIO POLÍTICO

GUÁLTER GEORGE

Escreva para o colunista

Atualização: Semanalmente às Terças-Feiras

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

Divirta-se

  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

Newsletter

Receba as notícias da Coluna Abidoral

Powered by Feedburner/Google

Mais comentadas

anterior

próxima