PARA ELAS 31/03/2017 - 15h41

Coletor menstrual: o novo queridinho das mulheres

Comodidade, consciência ambiental, inovação e mais conhecimento do próprio corpo são fatores que levam as mulheres a optarem, hoje, pelo coletor menstrual
notícia 0 comentários
DictSql({'grupo': '', 'id_autor': 18779, 'email': 'larissaviega@opovo.com.br', 'nome': 'Larissa Viegas'})
Larissa Viegas larissaviega@opovo.com.br
Fotos: Divulgação / Violeta Cup

Quando você pensa em menstruação, o que lhe vem à cabeça? Para muitas mulheres, menstruar é sinônimo de cólicas, inchaços e mudanças de humor. Em paralelo, é o período em que ela precisa estar sempre usando absorventes, que podem ocasionar desconfortos e alergias. De olho no público feminino, o mercado se depara hoje com alternativas como o coletor menstrual.

Feito de silicone cirúrgico, hipoalergênico e sem químicos, o coletor é no formato de copo e, como o próprio nome diz, sua função é coletar, ao invés de absorver, o sangue menstrual. “[Ele] é inserido na vagina pela mulher em posição mais baixa que o absorvente interno e que se amolda às paredes vaginais”, explica Manuela Portela, médica ginecologista da Maternidade-Escola Assis Chateaubriand.

Benefícios e riscos

Os benefícios do coletor menstrual passeiam por várias vertentes, a começar pela econômica. Mesmo tendo um custo maior que um pacote de absorvente (entre R$ 40 e R$ 150), sua duração pode ser de até 10 anos, basta respeitar os cuidados de limpeza e armazenamento. O meio ambiente também ganha, já que ao utilizá-lo, a mulher descarta apenas o sangue menstrual coletado, ao contrário do absorvente externo de uso diário, feito de celulose, petróleo e diversos produtos químicos e que levam de 100 a 500 anos para se decompor.

Manuela também frisa um outro benefício: “Com o uso do coletor menstrual, a mulher aprende a se tocar e, dessa forma, conhecer melhor o próprio corpo”. A ginecologista também destaca a comodidade, já que o dispositivo acumula uma maior quantidade de sangue que o absorvente interno, “podendo durar em torno de 6 horas".

Em paralelo, Manuela cita alguns riscos, como o de potenciais processos infecciosos que ainda não estão bem estabelecidos, devido aos poucos estudos realizados. “Um segundo risco seria seu iso de maneira incorreta que podem ocasionar danos, além de ser um produto cuja qualidade, eficácia e segurança ainda não estão bem regulamentadas pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]”, completa.

Cuidados e restrições

Por se tratar de um produto íntimo, a higiene é o principal cuidado que se deve ter com o coletor menstrual. “É preciso mantê-lo bem higienizado, através da lavagem com água e sabão neutro a cada troca e da fervura ao término de cada ciclo menstrual”, esclarece a ginecologista. Outro detalhe que ela frisa é a remoção e a lavagem a cada seis horas, em média (o tempo varia de acordo com a intensidade do fluxo menstrual de cada mulher).

No quesito restrições, a ginecologista alerta que o mesmo não deve ser utilizado por mulheres virgens, devido ao risco de ruptura da membrana himenal, assim como por mulheres em puerpério imediato (nos primeiros dias de pós-parto) e mulheres com tendência a candidíase ou outros corrimentos vaginais de repetição.

Curiosidade

Apesar de ser novidade no Brasil e estar em alta nos países europeus e nos Estados Unidos há alguns anos, o coletor menstrual foi criado e patenteado em 1937, por Leona Chalmers. Na época, o produto era feito de borracha.

Mitos e verdades

Por ser relativamente novo no mercado nacional, o coletor menstrual ainda está cercado de mitos. Confira o que é verdade e mentira desse item feminino, segundo a ginecologista:

O uso do coletor aumenta o risco de endometriose

Mito. Não há evidência científica para isso.
Os odores característicos da menstruação diminuem

Verdade. Como não há o contato do sangue com o algodão e o ar, os odores são menores.
Não é possível praticar atividades físicas quando se utiliza o produto

Mito. Deve-se evitar apenas em atividades de grande impacto.
Há riscos de vazamento.

Verdade. Caso o produto não seja colocado corretamente ou permaneça na vagina por um período prolongado (mais de 12 horas).
Combinar coletor menstrual e absorvente diário pode ser um risco

Mito. Os riscos são os mesmos do uso de um absorvente normal e não reduz a emissão de lixo no meio ambiente.
O produto deve ser sempre verificado antes de ser utilizado

Verdade. É preciso conferir origem e fabricação, já que é um produto relativamente novo.

Um coletor para chamar de seu
Se você ficou com vontade de experimentar o coletor menstrual, confira a promoção das Revistas O POVO no Instagram! Iremos sortear um kit com dois coletores menstruais da Violeta Cup. Os produtos devem ser retirados na sede do Grupo de Comunicação O POVO.

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

Vídeos

Especialista dá dicas sobre saúde masculina play

Especialista dá dicas sobre saúde masculina

anterior

próxima

Erro ao renderizar o portlet: Caixa Jornal De Hoje

Erro: [Errno 13] Permission denied: u'/home/presslab/public_html/ns142/arquivos/imgs/capas/2018-12-12_capa_populares_prez-61-77.jpg_tmp'

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Mais comentadas

anterior

próxima