[an error occurred while processing this directive][an error occurred while processing this directive] Fortalezas e Castelos Brancos | Opinião | O POVO Online
artigo 28/07/2015

Fortalezas e Castelos Brancos

notícia 0 comentários
Compartilhar

HISTÓRIA

 

Recentemente, a Comissão Nacional da Verdade, uma política de Estado criada para averiguar as violações do próprio Estado durante a ditadura (1964-1985), publicou seu relatório final. Em cerca de 3.400 páginas, além de uma boa aula de história, a publicação divulga uma lista de 377 agentes violadores, dos quais mais da
metade ainda estão vivos, e uma série de recomendações para os entes federativos cumprirem políticas públicas com objetivo de prevenir violações de direitos humanos e assegurar a não repetição.


A recomendação 28 do referido documento cita a necessidade de
“promover a alteração da denominação de logradouros, vias de transporte, edifícios e instituições públicas de qualquer natureza, sejam federais, estaduais ou municipais, que se refiram a agentes públicos ou a particulares que notoriamente tenham tido comprometimento com a prática de graves violações”.


Neste exato momento, o Estado cearense está descumprindo essa recomendação. Nós, cearenses, somos vergonhosamente proprietários do maior mausoléu do Brasil e, eu arrisco a dizer, da América Latina a homenagear um ditador. O Mausoléu Castelo Branco, referência ao primeiro golpista da ditadura, localizado na
av. Barão de Studart, faz referência a uma figura responsável por instalar o regime militar mais longo e sanguinário da nossa história.


A prática de homenagear “personalidades” comprovadamente criminosas é uma maneira de perpetuar os abusos cometidos em décadas passadas. Ao contrário do que fez a Alemanha com o nazismo e a Argentina ou Chile com suas ditaduras, o Brasil ainda passa por uma fase incipiente de desvelamento do período autoritário.


No entanto, não só o próprio Estado, mas organizações da sociedade têm lutado pela necessidade de se mudar esse quadro apagado do esquecimento. Aqui em Fortaleza, os “Aparecidos Políticos”, um grupo de arte e política, vem questionando essa memória branca – ou vermelha – dos anos de chumbo, para trazer cor aos acontecimentos da história. Em recente ação, realizaram um levantamento de mais de 35 espaços de Fortaleza que homenageiam agentes ligados às violações.


É por isso que hoje, 28, a partir das 10 horas, lançam, no Memorial da Resistência, na Secretaria de Cultura de Fortaleza, um mapa com a lista desses locais, junto a um DVD, com filmagens de ações feitas pelo coletivo a serem distribuídos, gratuitamente, para escolas da rede pública de ensino.

 

Alexandre de A. Mourão

aparecidospoliticos@gmail.com
Psicólogo, mestre em Educação e integrante do Coletivo Aparecidos Políticos

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

Erro ao renderizar o portlet: Caixa Jornal De Hoje

Erro: [Errno 13] Permission denied: u'/home/presslab/public_html/ns142/arquivos/imgs/capas/2019-01-17_capa_populares_prez-61-77.jpg_tmp'

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Mais comentadas

anterior

próxima