25/10/2014

Amor na contramão

Enquanto as discussões políticas se polarizam, a reconciliação da servente Vanessa e do entregador Fábio parou o trânsito e as redes sociais na última semana
notícia 7 comentários
DictSql({'grupo': 'ESPECIAL PARA O POVO', 'id_autor': 18815, 'email': 'paulorenatoabreu@opovo.com.br', 'nome': 'Paulo Renato Abreu'})
Paulo Renato Abreu paulorenatoabreu@opovo.com.br
Foto Tatiana Fortes
Fábio Lima e Vanessa Sousa: casal se reconciliou no meio da rua. Na última segunda, Fábio parou o trânsito para pedir perdão. Vanessa pensou uma, duas e três vezes. Acabou aceitando

 

A menos de uma semana das eleições, com o País dividido entre tucanos e petistas, Vanessa e Fábio não estavam nem aí. Alheios ao clima político, o entregador e a servente tinham uma pendência mais séria: o amor. Na tarde da última segunda-feira, 20, o casal parou a rua Marcos Macêdo, na Aldeota. Munido de flores e encorajado por uma caixa de chocolates, Fábio ajoelhou-se na pista. Tinha uma boa razão: tentar reconquistar a amada, com quem vive há 13 anos e tem dois filhos, mas de quem estava separado havia um mês.


Era só mais um dia de trabalho na capital cearense. Perto das 14 horas, Vanessa estava no 14º andar do prédio onde trabalha como servente. Lá de cima, a jovem de 27 anos ouviu gritos. Alguém a chamava. Quando apareceu na varanda, avistou no meio da rua o homem por quem se apaixonou quando tinha apenas 14 anos. O susto foi imenso.


De joelhos em frente ao prédio, Fábio pedia que a mulher descesse. “Eu não ia descer”, lembra Vanessa, em entrevista ao O POVO. “Ele estava gritando feito um louco. Fiquei logo toda gelada.” Passada tremedeira, a servente gritou de volta: “Vou não”.


Plano infalível

No segunda-feira, 20, Fábio acordou com um plano: convencer a amada a perdoá-lo. O casal se separou no último mês, após “derrapada” do marido. “Antes de ele fazer a besteira, eu estava dando entrada nos papéis para casar”, diz Vanessa. Os dois viviam “juntos e enrolados”, no bairro Vila Manoel Sátiro, com os filhos Fabrício, 9 anos, e Felipe, 6. Depois da “besteira”, mantiveram-se cada um no seu canto. Fábio sofria; Vanessa também.

 

Naquela segunda, porém, o marido resolveu ir à luta. “O que eu tinha era R$ 50 reais no bolso, e aquelas loucuras de amor em carro são mais de R$ 100”, calcula. Queria investir, mas o dinheiro era curto. O entregador, então, fez o que pode: comprou flores e chocolates. Achou que chamaria a atenção de Vanessa assim, “na cara e na coragem”. Subiu na moto e disparou rumo ao prédio.


Aos berros em frente à obra, chamava Vanessa. Logo virou o centro das atenções dos curiosos. Uma plateia se formou, interrompendo o trânsito na rua. Tão ansiosa quanto Fábio, esperava o desenlace da história.


Como Vanessa não descia, foi preciso o chefe da servente intervir para que ela pusesse fim àquela situação. A mulher cedeu. “Eu desci, mas ainda fiquei na dúvida. Ele me magoou muito, sabe?” Na rua, ainda ajoelhado, Fábio pediu desculpas. E ofereceu tudo que tinha: a caixa de chocolates e as flores. Vanessa não dava mostras de que perdoaria o marido, mas acabou cedendo novamente. Ali mesmo, sob os olhares dos curiosos e as buzinas do trânsito de Fortaleza, trocaram beijos e abraços. Três dias depois, recuperada do alvoroço, Vanessa faz uma ressalva. “Ele não passou humilhação porque a raiva passou mais ou menos. Se tivesse feito isso no dia seguinte (à separação), eu teria tacado a flor nele.”


No dia seguinte à reconciliação, os locais de trabalho dos dois se tornaram monotemáticos. “Trabalho na varanda e vez por outra tem gente que fica gritando: ‘Vanessa, eu te amo!’. Todo mundo fica imitando”, diz a jovem. No trabalho de Fábio, a brincadeira é mais pesada. “Sabe como é peão. Fica fazendo hora direto.”


Apesar das brincadeiras e críticas, Fábio diz se orgulhar da demonstração de afeto. “Quem fala besteira não tem a coragem de fazer o que eu fiz. Fiz para agradar minha esposa. Não tenho vergonha.” E, virando-se para Vanessa, pergunta: “Se daqui para o final de ano, eu te pedir em casamento, você casa comigo?” Escorregadia, Vanessa devolve: “Decido na hora. Ainda não sei”.

 

Multimídia


Para assistir ao vídeo de de Fábio e Vanessa, acesse: http://migre.me/msesr

 

espaço do leitor
Raquel Cavalcante Almeida 27/10/2014 08:41
O mundo precisa de mais amor, por favor! Apesar do erro, ele mereceu ser perdoado, porque reconheceu o erro e foi em busca de resgatar o amor de quem realmente importa na vida dele. Familia é a base de tudo. Deus abençoe sempre essa união.
Karine 26/10/2014 08:25
Ai que lindo! Amei ver histórias como essa por aqui... Texto bem escrito e que foge ao que se costuma ser noticiado: homicídios, eleições, esporte... Parabéns, O Povo! =)
Cláudia Jane Gomes 26/10/2014 06:36
Amei o texto. E a história, nem se fala! :D
Cláudia Jane Gomes 26/10/2014 06:36
Amei o texto. E a história, nem se fala! :D
Cláudia Jane Gomes 26/10/2014 06:35
Amei o texto. E a história, nem se fala! :D
Ver mais comentários
7
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Mais comentadas

anterior

próxima

Erro ao renderizar o portlet: Barra Sites do Grupo

Erro: cannot identify image file <cStringIO.StringI object at 0x42ceb58>

O POVO Entretenimento | Vida & Arte