[an error occurred while processing this directive][an error occurred while processing this directive] Livro da uruguaia Inés Bortagaray captura o leitor pela delicadeza | O POVO
LITERATURA. RESENHA 10/03/2014

Livro da uruguaia Inés Bortagaray captura o leitor pela delicadeza

Noemi Jaffe, doutora em literatura brasileira e autora de O que os Cegos Estão Sonhando? (Editora 34), escreve sobre o primeiro livro de Inés Bortagaray lançado no Brasil
notícia 0 comentários
Divulgação
Inés Bortagaray: viagem familiar descortina a paisagem uruguaia nos anos 1980
Compartilhar

 

O tamanho compacto, a cor de um azul-bebê, o título, a linguagem, tudo em Um, Dois e Já, primeiro livro da uruguaia Inés Bortagaray no Brasil, captura o leitor instantaneamente pela delicadeza.


E instantaneamente, nesse caso, não é uma palavra gratuita, porque a trama toda da narrativa não dura mais do que algumas horas: aquelas horas decisivas, para uma criança, de um traslado dentro de um carro, em direção às férias com a família.


Desde as primeiras palavras --”Vejo um poste que passa e vai embora até que vejo outro poste que passa e vai embora, mas nunca totalmente, porque na ida nem deixa rastro”-- a narradora, uma garota de 10 ou 12 anos, conta as sensações de uma viagem com os irmãos no banco de trás de um carro.


As brigas para ver quem senta na janela, as brincadeiras de palavras, as comidas que a mãe providencia, as paradas para o xixi, o enjoo, o rádio, tudo conduz o leitor, sempre pela ação e pela sensação, a cenas que ele já conhece de alguma forma --mesmo que não as tenha vivido literalmente.


O mundo interno da menina, cheio de “coisas preferidas”, fantasias e medos, descortina, ao mesmo tempo em que causa empatia e nostalgia, também o cenário da ditadura uruguaia dos anos 80.


O leitor vai descobrindo, indiretamente, que esses pais que viajam no banco da frente são militantes de esquerda, que está havendo uma guerra nas Malvinas e que a educação que os quatro filhos recebem é progressista.


Não é preciso que os detalhes --como o fato de o peixe que a garota deixa aos cuidados de uma amiga se chamar Outro-- sejam interpretados metaforicamente.


Não são metáforas; correspondem exatamente àquilo que se está dizendo e isso em nada diminui a potência de denúncia do livro.


É a prova de que uma história pode, ao mesmo tempo, provocar sensações e também remeter à consciência histórica. Aos poucos, assim, como quem não quer nada, vai se reconhecendo uma época, uma família, uma fenomenologia.


Um mundo que, de certa forma, acabou, mas que provavelmente continua, nas memórias de quem viveu aqueles anos, dentro de carros com outras famílias e, quem sabe, ainda nos carros em que algumas famílias viajam para passar as férias em alguma casa do litoral de alguma praia da América Latina. (Noemi Jaffe, da Folhapress)


SERVIÇO


Um, Dois E Já

Autora: Inés Bortagaray

Tradução: Miguel Del Castillo

Editora: Cosac Naify

Quanto: R$ 26 (96 págs.)

 

> TAGS: inés bortagaray
Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

Erro ao renderizar o portlet: Caixa Jornal De Hoje

Erro: [Errno 13] Permission denied: u'/home/presslab/public_html/ns142/arquivos/imgs/capas/2018-12-18_capa_populares_prez-61-77.jpg_tmp'

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Mais comentadas

anterior

próxima

O POVO Entretenimento | Vida & Arte