Estratégia 13/10/2013

Pesquisas identificam perfil desejado e ajudam os partidos

Um candidato muito sorridente ou alguém mais sério? Um nome jovem ou mais experiente? Em geral, sondagens feitas a partir de grupos focais orientam as siglas a decidirem seus nomes ou a moldarem seus favoritos
MANDEL NGAN/AFP, JEFFERSON BERNARDES/AFP VALTER CAMPANATO/ABR
A então ministra Dilma Rouseff passou por uma verdadeira metamorfose até se tornar candidata
Compartilhar


Um homem que não sabe sorrir não deve abrir uma loja”, diz um provérbio chinês adaptado pelo publicitário cearense Ricardo Alcântara ao ambiente eleitoral. A autenticidade e a capacidade de gerar empatia no público continuam entre as habilidades que contam pontos na definição de um candidato. Para os menos simpáticos, há saída: recursos como personal styler, sessões de fonoaudiologia e até orientação alimentar são utilizados pelas equipes de marketing político para preparar os futuros competidores, diz Alcântara.


Acontece que, conforme ele destaca, “não há regra de manual” sobre o perfil a ser construído. Os ingredientes da montagem variam ao sabor da conjuntura política e, sobretudo, de acordo com o que o eleitor quer a cada momento. É para identificar as características desejadas pelo eleitorado que entra em cena o primeiro instrumento da construção de uma candidatura: as pesquisas.

 

Sondando o eleitor


Conforme explica o presidente da Associação Brasileira de Consultores Políticos e autor de 17 livros sobre o tema, Carlos Manhanelli, tudo começa com um diagnóstico. “Como todo bom medico, vamos ouvir o paciente. Na primeira conversa, ele fala todos os sintomas que sente. ‘Acho que esse segmento social está comigo, acho que tem uma dorzinha ali naquela região’. A partir daí, vamos para os laboratórios fazer os exames, que são as pesquisas quantitativas e qualitativas. Com os resultados, fazemos o cruzamento de várias informações e, assim, temos um primeiro diagnóstico”, explica.


Segundo Manhanelli, dificilmente as sondagens incluem perguntas estimuladas (quando o eleitor escolhe a resposta em uma lista apresentada a ele) e, não necessariamente, incluem nomes de possíveis candidatos.


“Nesse momento estamos procurando o ambiente eleitoral. As pessoas dizem quais qualidades elas querem ver no candidato. Só depois é que vamos levantar quais dessas características elas enxergam nos personagens. Passada essa etapa, verifica-se se os nomes são conhecidos o suficiente. Se não são, é preciso começar a alavancar o conhecimento”, afirma Manhanelli.


É pelo que mostram tais levantamentos que, nem sempre, a fórmula básica da simpatia e do carisma são fatores essenciais na escolha de um candidato. Conforme destaca Ricardo Alcântara, assim como Dilma, “o ex-governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos, nunca foi um primor de simpatia, mas sempre vendeu aquela carranca velha dele como um comportamento autêntico, não demagógico, de uma pessoa séria, que não faz concessões fáceis, nem transige com seus princípios. Deu certo”, ilustra. Conforme a defesa do publicitário grifada no início deste texto, “não há regra”. É pura pesquisa. (Hébely Rebouças)

 

Saiba mais


Um dos casos que melhor ilustram a influência das pesquisas na construção de uma candidatura é o da presidente Dilma Rousseff (PT).

 

Em 2007, diante da impossibilidade de lançar seu favorito na disputa pela sucessão presidencial, José Dirceu – desgastado com as denúncias sobre o mensalão –, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) resolveu preparar sua então ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT) para concorrer ao Palácio do Planalto.

Dilma passou por uma gradual transformação. Saiu de ministra coadjuvante a braço direito de Lula no Governo, na Casa Civil, como mãe do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Trocou os óculos com armações duras para as lentes de contato, fez plástica para suavizar os traços do rosto, mudou o corte de cabelo, renovou o guarda-roupa. Com o aproximar do ano eleitoral de 2010, começou a participar de festas, viagens e reuniões com jornalistas. Dilma é considerado um case de sucesso no meio publicitário.

 

Várias outras estratégias antecipadas ajudam a cacifar um futuro candidato: elogios públicos dos caciques do partido e atribuição de tarefas importantes, que rendam uma agenda positiva, fazem parte do processo de construção. Nesse sentido, a partir de agora, qualquer movimento político poderá ter simbologia eleitoral.

 

Compartilhar
espaço do leitor
Nauriello Almeida de Andrade 13/10/2013 20:41
Coitado de vc Wilson Rocha, por acaso são só os petistas que mudam de visual, talvez vc precise mudar sua mente, isso é bem mais grave.
Este comentário é inapropriado?Denuncie
Wilson Rocha 13/10/2013 18:07
digite seu comentárioÉ assim que os governos petistas têm levado vantagens em tudo.... Fico a imaginar quão execrável possa ser a "propaganda enganosa", tanto a mercantilista, quanto a polítca_ o "marketing do engodo". Os apelos são tão ilusórios e sorrateiros que induzem as &qu
Este comentário é inapropriado?Denuncie
2
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Erro ao renderizar o portlet: Barra Sites do Grupo

Erro: HTTP Error 404: Not Found