Artigo 07/02/2013

O que houve com a polícia cidadã?

Compartilhar

A semana que passou foi repleta de notícias tristes, entre elas, acompanhei as repercussões sobre o lamentável episódio ocorrido no bairro Ellery. Vidas e sonhos interrompidos de forma tão irresponsável e banal. Infelizmente, cenas de intolerância profissional estão ficando corriqueiras, despertando indignação da sociedade.


Diante do momento, é preciso uma reflexão sobre o tema segurança, levando em consideração os fatores que estão associados à questão; e ponderando as inúmeras formas que podem contribuir para manter a cidade tranquila, como a garantia das políticas públicas em todos os espaços sociais.


O que aconteceu no bairro Ellery faz parte de uma série de tragédias anunciadas que a cada dia tomam conta de Fortaleza. As disputas territoriais são crescentes devido ao tráfico de drogas, à desigualdade e à divisão social/econômica da cidade. Quando surgem fatalidades desse tipo, uma medida paliativa é imediatamente pensada, ou então é mais cômodo culpar outrem do que tratar o problema na raiz.


O envolvimento do Ronda do Quarteirão em situações como a do Ellery, além de investigação, sugere um aprofundamento sobre a concepção do papel do programa. No início, a criação da polícia comunitária minimizou a sensação de desproteção da população. No entanto, percebe-se que o Ronda anda se distanciando da sua característica principal, demonstrando claramente fragilidade de comando. Então abre-se um questionamento: o que está acontecendo com a polícia cidadã?


Uma das formas de responder a indagação é o Governo do Estado realizar uma consulta popular, para verificar a opinião dos cearenses com relação ao programa Ronda do Quarteirão. Junto a isso, também é imprescindível repensar formas de melhorar a segurança, com participação social, afinal, o tema foi um dos mais questionados pelos cidadãos nas últimas eleições .


Portanto, descentralizar o debate e repensar os mecanismos, transversalizando o tema, são medidas urgentes para trilhar outro caminho. E quem sabe assim possamos sair da cultura do medo que impera na nossa cidade. 

 

Ívina Carla

ivinacarla@gmail.com

Jornalista

> TAGS: ivina carla
Compartilhar
espaço do leitor
FRANCISCO 07/02/2013 17:38
ACHA QUE UM SOLDADO QUE PASSA VINTE ANOS PARA SER PROMOVIDO ESTA PREOCUPADO COM ISSO,PELO AMOR DE DEUS É MUITA DEMAGOGIA.
Este comentário é inapropriado?Denuncie
cristina fonseca 07/02/2013 12:36
Muito importante esse artigo. Lamentavelmente vivemos a sociedade do medo, ora dos assaltos, ora da polícia. A polícia tem cometido agressões e assassinatos. Inadmissível. É preciso mudar o mundo!
Este comentário é inapropriado?Denuncie
2
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Erro ao renderizar o portlet: Barra Sites do Grupo

Erro: HTTP Error 404: Not Found