Atacado 03/08/2015

Abad: setor prevê crescimento no segundo semestre

O setor atacadista distribuidor mantém expectativa de crescer entre 1% e 1,5% em 2015, apesar dos números negativos dos primeiros cinco meses do ano
notícia 0 comentários
{'grupo': 'Da Reda\xe7\xe3o O POVO', 'id_autor': 16390, 'email': 'artumira@opovo.com.br', 'nome': 'Artumira Dutra '}
Artumira Dutra artumira@opovo.com.br
SARA MAIA
Presidente da Abad, José do Egito Frota Lopes Filho, prevê segundo semestre melhor do que 2014
Compartilhar

A costumado a crescer quatro, cinco vezes mais do que o Produto Interno Bruto (PIB) nos últimos dez anos, o setor atacadista distribuidor brasileiro tem estimativas de desempenho mais modestas para este ano, mas sempre positivas. A expectativa é crescer entre 1% e 1,5% em 2015, apesar dos números negativos dos primeiros cinco meses do ano - na comparação com o ano passado, 10,83% a menos.

O presidente da Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados (Abad), José do Egito Frota Lopes Filho, diz que junho deve ter uma leve recuperação e que o segundo semestre deste ano será melhor que o do ano passado. Hoje ele divulga os números do primeiro semestre durante coletiva para falar da 35ª Convenção Anual do Atacadista Distribuidor (Abad 2015), de 3 a 6 de agosto, no Centro de Convenções do Ceará, em Fortaleza.


Dinâmico

Para conviver com a crise econômica o setor atacadista distribuidor se vale de pesquisas para saber o que o consumidor quer e se adaptar ao momento. José do Egito explica que o atacadista conversa com o cliente e leva para a indústria que apresenta a solução. “Estamos sabendo lidar com a crise devido à nossa maturidade e profissionalismo”, comenta, ressaltando que há muito tempo a indústria investe em pesquisa que com o avanço tecnológico são mais rápidas.

 

Lembra que o setor lida com bens de consumo de primeira necessidade, que junto com o varejo alimentar são os últimos a sentir a crise. O presidente da ABAD diz que a queda de quase 11% de janeiro a maio é explicada não só pelo situação econômica desfavorável mas também porque os primeiros meses de 2014 foram atípicos. Conta que existia um otimismo gerado em função da Copa do Mundo que depois foi dissipado com a possibilidade de manifestações de rua. Com o desastre da Seleção Brasileira na Copa e sentindo mais as dificuldades financeiras as vendas despencaram em junho e continuaram ruins durante o resto do ano.


Em termos reais, o segmento atacadista distribuidor cresceu 0,9% em 2014. O resultado ficou 0,8 ponto percentual acima do PIB nacional, de 0,1%, e 7,3% em termos nominais, atingindo faturamento de R$ 211,8 bilhões.

 

Números

 

204 empresas do Nordeste participam do Ranking Abad/Nielsen. Região é destaque

 

Saiba mais


Ranking Abad /Nielsen 2015 – ano base 2014 contou com a participação de 527 atacadistas e distribuidores de todo o Brasil. Essas empresas representam 42% do mercado atacadista.

 

Em número de participantes, o destaque é a Região Nordeste, com 204 empresas. Em termos de faturamento, o Sudeste corresponde a 44% do setor

 

O mercado mercearil compreende produtos de uso comum das famílias, como alimentos, bebidas, limpeza, higiene e cuidados pessoais

 

Os números do Ranking Abad/Nielsen são apurados a partir de dados fornecidos por empresas do setor associadas à Abad e analisados pela consultoria Nielsen, em parceria com a Fundação Instituto de Administração (FIA)

 

Fonte: Abad

> TAGS: abad
Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Mais comentadas

anterior

próxima

Erro ao renderizar o portlet: Barra Sites do Grupo

Erro: cannot identify image file <cStringIO.StringI object at 0x42ceb58>

Jornal de Hoje | Economia