NORMAL OU CESARIANA? 11/05/2014

As não-dores do parto

O protagonismo do parto cabe à mulher. Informação, respeito e confiança são caminhos que orientam as mães nessa escolha. A dor faz parte do processo fisiológico do nascimento, mas não deve significar sofrimento nem medo
notícia 0 comentários
{'grupo': ' ', 'id_autor': 18937, 'email': 'anamary@opovo.com.br', 'nome': 'Ana Mary C. Cavalcante'}
Ana Mary C. Cavalcante anamary@opovo.com.br
{'grupo': '', 'id_autor': 18928, 'email': 'lannaroriz@opovo.com.br ', 'nome': 'Lanna Roriz'}
Lanna Roriz lannaroriz@opovo.com.br
Compartilhar

Maitê, dois anos, segunda filha da servidora pública Sirlei Rocha Doth Moura, 38, veio ao mundo por livre e espontânea vontade. Tão espontânea, que nasceu em meio a um engarrafamento, os pais a caminho do hospital, em frente à igreja de Fátima, na avenida 13 de Maio. Por telefone, uma enfermeira-obstetra e uma doula, que acompanharam a gravidez de Sirlei, orientaram o parto que se fez natural. E Maitê nasceu no abraço de Sirlei. “Foi muito bom! Não ficou nada (na lembrança) do (estresse do) engarrafamento. Ficou a coisa boa da força com que ela veio”, restaura a mãe.

 A experiência vivida por Sirlei dá corpo e sentimento às palavras da ginecologista-obstetra Liduina Rocha. Em hospitais públicos ou no consultório particular, assim ela orienta sobre a escolha do parto: “O parto é um evento único, singular, transformador e fisiológico. Nós, mulheres, nascemos com a sabedoria de fazer nascer no nosso corpo. Isso significa que o protagonismo do parto é da mulher que está parindo. A grande e valiosa contribuição da Medicina é o acompanhamento respeitoso a este processo”.

 

 A busca por “informações adequadas” é o caminho para uma “escolha consciente” do parto, orienta a enfermeira-obstetra Semírames Ávila, coordenadora do Espaço Mãe do Corpo (www.maedocorpo.com.br). “As indicações reais de cesariana são poucas. E é possível detectar no pré-natal”, ressalta. “Nem peso, nem idade são empecilhos para parto normal. Os bebês costumam seguir os padrões da mãe”, une. “É necessário que se reflita os porquês do Brasil ser campeão mundial de cesáreas”, concorda Liduina Rocha. As profissionais alertam para intervenções desnecessárias e até agressivas ao corpo.

 Já o medo da dor do parto “foi um conceito construído e precisa ser revertido”, dialoga Márcia Machado, enfermeira e professora da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará. Sirlei, mãe da Maitê, aprendeu, primeiro, com Heitor, quatro anos, que também nasceu de parto normal, a transformação da dor e do medo em maternidade: “Nas contrações, estava sentindo muita dor. Depois que conversei com a doula, ela falou: ‘Em vez de se concentrar na dor, se concentre que é o Heitor, que está mais perto de chegar’. Isso mudou tudo. Mudou a palavra dor para algo que não sei nem explicar!”.

 SAIBA MAIS

Parto Normal<br>O bebê nasce pelo canal vaginal. Pode ser com suporte médico ou não. Em casa ou no hospital, com ou sem intervenções. Oferece menor risco de infecções. Medidas como lavagem intestinal e raspagem dos pelos pubianos não são mais procedimentos que a Organização Mundial de Saúde (OMS) indique como necessários.

 Parto Natural<br>Parto normal sem intervenções, como episiotomia (corte na região entre a a vagina e o ânus), indução (uso de ocitocina para acelerar o trabalho de parto) ou anestesia. Pode ser domiciliar ou hospitalar. A mulher tem liberdade para se movimentar. A recuperação é rápida. Para o alívio das dores, podem ser aplicadas técnicas de respiração e relaxamento.

 Cesariana<br>O bebê é retirado por uma incisão cirúrgica no abdome da mulher. Deve haver motivos clínicos para a opção pela cirurgia. Tem de ser feita em ambiente hospitalar e sob anestesia.

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Mais comentadas

anterior

próxima

Erro ao renderizar o portlet: Barra Sites do Grupo

Erro: cannot identify image file <cStringIO.StringI object at 0x42ceb58>