Romeu Duarte 09/02/2015

Belvedere

notícia 0 comentários
Compartilhar


A Eugênio Coutinho


Diz o Chico Alvim, poeta da minha predileção, que quem tem janelas, que fique a espiar o mundo. Eis uma arte à qual tenho dedicado uma vida inteira. Voyeur, flâneur, causer, estas três palavras do idioma de Balzac requerem algum preparo de quem queira usá-las como definição de si. Ah, quantos mestres desses ofícios não encontrei ao longo da existência. Gente especializada em viver (há seres humanos que, mesmo vivendo, se esquecem disto), em enxergar aspectos pitorescos nas pessoas e nas coisas, o que mais tarde servirá de matéria à construção de sua filosofia. Se esta será proveitosa ou vã, pouco importa. Relevante, sim, é a sua condição de marca, pegada, digital de alguém. E são tantos os vãos que se abrem à nossa vista, trazendo luz à alma.


Observo os vendedores ambulantes nos sinais. O mesmo sujeito que vendia protetor solar agora anuncia guarda-chuvas. Os que lidam com frutas conhecem bem as ofertas da natureza no sutil desfilar das estações: ontem caju, hoje seriguela, amanhã goiaba. Pequenos malabaristas fazem da rua circo, seus exercícios de equilibrismo denunciando seu desequilíbrio social. Os desocupados nas bancas das calçadas, ocupados demais com a decifração do crepúsculo. As estudantes em seus uniformes justos, acariciados pelo vento, devolvem a alegria aos olhos cansados do velho no bar do Jacarecanga. A mulher na loja pedindo a cabeça dos suspeitos de sempre: a seca, o governo, os políticos, o homem lá de casa que, acho, Seu Zé, perdeu o gosto pela coisa.


O jornal de hoje pinga sangue e petróleo podre. A volúvel foliona, de coração púrpura pintado na bochecha e abraçada ao amor de ocasião, nos pisca o olho e promete um quente Pré-Carnaval para logo mais. Vendedores clandestinos emergem do Buraco da Jia e cercam o Palácio do Bispo, ou melhor, do Prefeito, lutando por seu direito líquido e certo de privatizar o espaço público, sob a benção de Nossa Senhora estampada na camiseta, que é só R$ 1,99, meu senhor. O senador de rosto recém barbado, porém de cara lisa, bate boca com o colega caviloso, deplorável pleonasmo. Um sorridente Papa Chico acena para a câmera, frondoso baobá nesta paisagem cada vez mais Cantareira. Crianças são mortas pelos radicais do Islã. Claro, viremos a página.


A televisão e suas possibilidades, sempre tão mal aproveitadas. Muito acima dos escândalos e desastres nacionais e internacionais, como uma lua cheia exibida, desinibida e por todos admirada, paira a bunda da loira atriz global. Será sua assombrosa sombra o tão ansiado refrigério para nossas misérias cotidianas? O programa de calouros desnudos e de sexualidades mutantes arrasta-se odiosamente como a corrente de um fantasma canalha. O noticiário tendencioso dos canais sudestinos e seu sotaque carregado de preconceito. O cabelo, a joia, o vestido, o sapato, o andar, o olhar, o modo de beijar da moça da novela, itens de toda uma educação sentimental. Uma banda de rock cult-bacaninha, com suas barbinhas tão postiças quanto sua música, e la nave va.


A noite já cobre com seu manto este meu mirante. Deste privilegiado posto de observação, assisto aos lares se acenderem numa miríade de pontos luminosos, fazendo inveja às estrelas no céu. A cidade é essa colcha de retalhos, alguns sedosos, outros puídos, costurados todos os dias pelas nossas próprias mãos. Enquanto cometo este escrito, à caça de um arremate, uma rara leitora bate o fio para denunciar o corte de uma árvore de estimação na Rui Barbosa. O tom é de lamento e revolta, como se chacinado um membro da família. O drama é legítimo: a aridez de mil desertos, como dizia Nelson Rodrigues, além da face da Loura, parece ter dominado, antes, os corações e mentes de alguns de seus poderosos moradores. Ah, terra bárbara, diria Jáder.


Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:

Romeu Duarte

RSS

Romeu Duarte

Romeu Duarte

Escreva para o colunista

Atualização: Segundas-feiras

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

Divirta-se

  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

Newsletter

Receba as notícias da Coluna Romeu Duarte

Powered by Feedburner/Google

Mais comentadas

anterior

próxima

O POVO Entretenimento | Romeu Duarte