História 30/01/2012

O dia em que o cearense vaiou o sol

Há 70 anos, frequentadores da Praça do Ferreira se aglomeravam para vaiar o sol que teimava em aparecer. Registrado por um repórter do O POVO, o episódio daquele 30 de janeiro de 1942 virou um marco da irreverência cearense
notícia 8 comentários

Era janeiro de 1942. Fortaleza, então com pouco mais de 180 mil habitantes, nem sonhava com os arranha-céus que tomariam seu espaço. Casas de muros baixos e praças arborizadas do Centro da cidade assistiam aos rapazes de paletó flertar as moçoilas de vestidos alinhados. Nos jornais, notícias da Segunda Guerra Mundial ocupavam boa parte das páginas dos folhetins. O que acontecia noutras terras chegava também através do rádio e deixava os moradores sob tensão.


Pela Praça do Ferreira (que já foi Feira-Nova, Pedro II, da Municipalidade e é do Ferreira desde 1871), o assunto da guerra se dividia com o futebol que era anunciado em placas espalhadas pelos quatro cantos, indicando o match da semana. Por ali, os bebuns capengos se esbarravam com os intelectuais e tropeçavam nos saltos finos das moças da sociedade que se esquivavam da ralé circulante. Na praça os bancos ocupados por toda a “estirpe” de gente (intelectuais, políticos, católicos, comunistas, etc), uma Fortaleza inteira se refletia. Foi exatamente nesse “coração da cidade” que se deu o causo que hoje completa 70 anos.


O programa Grande Jornal (Rádio O POVO/CBN 1010) entrevistou o jornalista  e historiador Nirez sobre os 70 anos da Vaia ao Sol. Ouça



Uns contam que o tempo apenas estava bonito para chover. Outros dão conta que já chovia forte há dois dias, entrando no terceiro. O Ceará, vindo de uma seca braba, clamava para que o sol desse uma trégua por mais uns dias, mas ele, naquele 30 de janeiro de 1942, teimou em varar as grossas nuvens e apareceu avermelhado no céu.


Passando pelas proximidades da Praça do Ferreira em direção ao setor de redação do O POVO, um repórter “esgueirando-se pelas calçadas molhadas” viu um grupo numeroso de pessoas aglomerado por ali, reparando “o esforço desesperado do sol para aparecer” e registrou os seguintes fatos na edição vespertina daquele mesmo dia. “Olhando para o alto e apontando, começaram uma demonstração estrondosa, vaiando o astro vencido e apagado, naquele momento, num grito uníssono de várias bôcas. Mas afinal o velho Rei das alturas venceu, botando todo corpo vermelho para fora das nuvens e dispersando os vaiadores”.


À época, como tudo o que acontecia na Praça do Ferreira, o ato inesperado foi sabido por boa parte da pequena população fortalezense, mas logo o deu por esquecido. Hoje, o episódio é visto como uma prova que a verve cômica do cearense vem de muito antes de Chico Anysio, Renato Aragão, Tom Cavalcante, Falcão ou Rossicléa. “A molecagem já está bem residente nesta vaia, como já estava na Padaria Espiritual, como estava quando chamavam as moças que namoravam soldados americanos, na época da Segunda Guerra, de garota Coca-Cola. O teatro do Carlos Câmara já traz isso, a música de Ramos Côtoco no início do século 20 também, é algo que vai sendo construído”, aposta o professor e pesquisador Gilmar de Carvalho, que, até uma aluna mostrar-lhe a xérox do O POVO daquele dia, acreditava no fato apenas como uma lenda urbana.


Autor da peça O dia em que vaiaram o sol na Praça do Ferreira, escrita em 1983, Gilmar aponta, no entanto, que a visibilidade hoje dada à vaia é coisa recente. “Em 1976, quando fiz uma pesquisa sobre a molecagem cearense, essa reverência à vaia não era tão forte. Ela foi sendo apropriada pelos humoristas cearenses e o dia em que o sol foi vaiado se torna um momento oficial dessa irreverência do cearense. Acho que de uns 15 anos para cá que tem isso mais forte”.


Ceará fuleiro

O porquê de um episódio nada mais que curioso ter entrado para a história de Fortaleza e ter feito de uma simples vaia um “patrimônio imaterial” do cearense, ninguém define ao certo. Alguns pesquisadores e memorialistas acreditam que só o fato dele ter acontecido onde aconteceu, já é meio caminho para ganhar a visibilidade que tem hoje. “Aqui o pessoal tem essa mania de vaiar tudo e a Praça do Ferreira sempre foi o ponto principal da canalhice, do Ceará moleque”, pontua o pesquisador Miguel Ângelo (Nirez). “Esses apupos eram naturais a esse pessoal que sentava ali na Praça do Ferreira. O cearense é realmente um povo dado a essa forma de vaiar. Padre Quinderé já dizia que Fortaleza era terra de muro baixo: tudo o que acontecia, era muito divulgado, muito mexericado”, reforça o memorialista Zanilo Almada.

 

A vaia dada ao sol por “alegres circunstantes”, como define o repórter desconhecido do O POVO (a matéria não está assinada), oficializou o dia 30 de janeiro de 1942 como o marco da irreverência do povo cearense. Característica que para alguns cria um estereótipo nada engraçado. “Eu vejo mais como uma espécie de extravasamento do recalque da vida miserável que leva. O povo não leva nada a sério é porque ele também não é levado a sério”, opina o pesquisador Christiano Câmara.


Para outro tanto, o humor sem estereótipos tem lá a sua graça, sim. O sério professor Gilmar é um dos que se rende à ideia. “Através da irreverência, a gente consegue reagir bem às adversidades. Acho que não prejudica a nossa imagem porque fica sempre como uma coisa leve, o cearense não vira uma usina de humor 24 horas. Funciona muito como um tempero que vai tornar a vida mais interessante. Conseguimos ser pessoas vistas como trabalhadoras e, ao mesmo tempo, que vaiam até o sol”.


Saiba mais

Ao longo da edição de hoje do O POVO, repórteres e editores narram, cada um à sua maneira, o episódio da vaia ao sol.

 

 

 



espaço do leitor
dbentto 22/09/2016 16:37
Vaiar o sol me parece uma atitude POBRE de pessoas POBRES - material e espiritualmente falando. Por que será q a imprensa cearense dá tanta divulgação a isso? Talvez pq seja POBRE.
Alaércio Flor 31/01/2012 17:47
ÚUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUFaltou assunto,foi???
VALERIA 31/01/2012 09:03
ANTONIOADV, Pra vc "iêêêi"... molecagem cearense num escolhe a quem... o que vale é a mangofa...
Francisco Otavio de Vasconcelos 30/01/2012 21:15
Grande correção companheiro Alexandre! Nós somos os melhores, apesar de nossa pobreza. Temos uma linguagem só nossa, musica, até a nossa colonização foi diferente, temos os melhores alunos em concursos, apesar do governo não cuidar da escola pública como deveria, etc. etc....
fernando 30/01/2012 21:00
Aí,ANTONIOADV,será que tu é daqui mesmo?Porque numa terra onde o sol brilha quase o ano todo e o cara ainda acha pouco.Vai gostar de sol assim na...
Ver mais comentários
8
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

O POVO Entretenimento | Vida & Arte