bichos 23/12/2012

Bichinhos: recebedores e doares de amor

Não apenas tirá-los das ruas, mas oferecer-lhes carinho e atenção. A solidariedade pode ir não somente para os animais, mas por meio deles
DEIVYSON TEIXEIRA
Elisabeth: cuidar de animais era um sonho alimentado desde pequena
Compartilhar

O amor pelos animais está na emoção que a funcionária pública Ana Elizabeth de Oliveira Brasil, 44, externa ao falar deles. “Desculpa, é difícil segurar o choro quando se tem consciência das atrocidades que eles sofrem nas ruas”, acautela-se. Ela é uma das voluntárias do Abrigo São Lázaro, para cães e gatos abandonados, e luta para que os bichos sem dono tenham também uma vida digna.

 

Ela chegou ao abrigo há dois anos, época em que a morte da cadela de estimação ainda “machucava a alma”. O sonho que alimentava desde pequena, de ter um espaço para cuidar de animais abandonados, concretizou-se lá. “Organizamos feira de adoção, captamos recursos para alimentá-los, fazemos mutirão do banho”. Para Elizabeth, que mantém em casa 32 gatos e três cachorros, as horas que disponibiliza para estar com os animais, duas vezes por semana, é dos momentos em que se sente mais realizada. “Eu queria poder fazer muito, muito mais”, diz Elizabeth.


A dona do abrigo, Rosane Dantas, acrescenta que a casa, a mais antiga da cidade, com 17 anos de existência, possui hoje 180 cães e 60 gatos. “Está superlotada. Alguns são adotados, mas muitos nunca saem daqui. Chegam cegos, mutilados, cheios de doenças, velhos”. Segundo Rosane, cerca de 30 voluntários se distribuem em diversas atividades para dar conta da bicharada. “As pessoas acham que eles são lixo, podem ficar na chuva, amarrados, sem água. Eles sentem frio, fome, sede como nós”, descreve.

Terapia assistida

A vontade de Rosane, do Abrigo São Lázaro, é direcionar os animais para ajudar, voluntariamente, pessoas a superar doenças, como depressão. “É a terapia com animais. Funciona”, garante.

 

Os voluntários do Grupo Dr. Dog atestam. Há sete anos, criadores, adestradores, veterinários e voluntários se reuniram para levar carinho e atenção a crianças de comunidades carentes ou de abrigos e orfanatos, com a ajuda dos cães. “Existem crianças cheias de traumas, muito introspectivas que, brincando com os cachorros, ficam mais soltas, se divertem, sorriem com vivacidade novamente”, explica a idealizadora do grupo, Lucy Sales.


Segundo ela, a terapia é utilizada também para trazer a alegria em asilos e levar esperança a doentes. “Eles (cachorros) são treinados para esse fim, são dóceis, dedicados, parecem que entendem a proposta de estar ali, se mostram carinhosos com quem precisa deles, se doam tanto quanto a gente”, diz Lucy. (Sara Rebeca Aguiar)

Compartilhar
espaço do leitor
Gustavo 25/12/2012 11:03
Parabéns, muito parabéns mesmo aos voluntários, se mais pessoas aderissem, o mundo seria melhor!
Este comentário é inapropriado?Denuncie
Wagner Santos 24/12/2012 01:08
Estas pessoas que cuidam de bichinhos carentes e abandonados são a certeza de que ainda há pessoas boas no mundo. Vocês fazem parte da melhor porção desta vida. Parabéns a todos!
Este comentário é inapropriado?Denuncie
2
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS