vertical s/a 24/05/2015

Barioni vê dois HUBs no Nordeste

notícia 1 comentários
{'grupo': ' ', 'id_autor': 16338, 'email': 'leal@opovo.com.br', 'nome': 'Joc\xe9lio Leal'}
Jocélio Leal leal@opovo.com.br
DIVULGAÇÃO
Barioni: rédea curta na gestão para só depois pedir mais dinheiro
Compartilhar

O administrador e comandante David Barioni Neto, 56, já foi presidente da TAM e vice-presidente da Gol. Desde fevereiro, porém, ele está noutro comando. Preside a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a responsável por fazer as empresas nacionais tomarem gosto pelas exportações. Sobre a definição do futuro HUB da empresa que um dia pilotou, conta que já estudou o caso, mas não revela o que concluiu. Deixa apenas pistas. Carga e passageiros são os dois fatores determinantes. Segundo ele, em se tratando de carga, precisa ter produção exportável a no máximo 200 km do aeroporto. Avalia caberem dois HUBs no Nordeste. Um de carga e um de passageiro. Mas a TAM, como se sabe, só pretende fazer um. Ele diz que só vai pedir aumento de recursos para Apex - são R$ 534 milhões de orçamento, ou 12,6% do orçamento do Sebrae, donde nasceu a Agência - quando tiver algo para mostrar. Hoje, apenas 20 mil vendem para fora, ante universo de 20 milhões de companhias. Na terça-feira, a Coluna conversou com ele na sede da Apex, em Brasília (DF).

 

VERTICAL S/A - O que mais pesa da definição de um HUB?
David Barioni Neto - Carga ou passageiro. A primeira coisa é isso. São coisas distintas. Passageiro é mais complexo. Um HUB deve ser natural. Posso dar exemplos claros: Portugal é HUB natural. Pega toda a Europa e desova ali naquela pontinha. Dubai é HUB natural. Todo o Oriente Médio chega a Dubai. Um HUB natural é a principal escolha. Olha para o mapa e se tem que ser aqui. Aqui no Brasil. Brasília. No passado, a gente criou um HUB da TAM aqui. Se tem um lugar que tem de ter um HUB no País é Brasília. Tanto que é o maior HUB. Posto isto, aí nem tudo é tão fácil assim. Nem sempre é natural, então ele tem de ser criado. Ai depende de passageiros, da vontade das empresas de pousar ali. Porque não é muito simples. Você pega por exemplo. Quer gostemos ou não, o maior número de passageiros é no Sul e Sudeste. Passageiro quer sair do Sul voar direto para os EUA ou Europa. Ele não quer pousar no meio do caminho. Isso mata o voo. Faz com que o voo tenha de ser vendido por 25% a menos. Porque a empresas internacionais vêm direto. Esse é um grande problema do Nordeste. O que precisa analisar ali: o Nordeste é receptivo, não é exportador de passageiros. Mas o receptivo está espalhado: Recife, Maceió, Fortaleza. Não tem um lugar. Não é tão trivial assim. Tenho minha teoria, mas agora não vem ao caso (risos). Fiz um estudo completo sobre isso.

VSA – E carga?
Barioni - Carga é mais fácil. Basta você ver onde está o PIB de produção. Não tem milagre. A carga que estar a 100 , 200 km no máximo do aeroporto. Muito simples. Carga com valor agregado. Pode até ser pesada, mas com valor agregado. Commodity tem custo de transporte maior do que a margem. Normalmente é produto eletrônico, flores, animais vivos. É pegar cinco seis produtos com mais capacidade de produção. Bota no mapa e o aeroporto tem de estar perto. Exemplo: nunca se imaginou que o aeroporto de Salvador fosse exportar vinho. Uma produção ali no Vale do são Francisco com valor agregado, cuja produção sai por Salvador. O Vinho não foi feito ali por causa do aeroporto. São 3.200 km de rio. Foi feito lá porque o rio está lá.

VSA – Fazer aeroporto na expectativa de desenvolver o entorno não funciona?
Barioni - Essa teoria de que vou fazer o Aeroporto e depois as coisas se desenvolvem em volta não funciona. Este é um equívoco que se faz. Ah, eu ponho um aeroporto na cidade e todo mundo em volta vai se movimentar. Não vai. Isso foi assim no passado. Com portos antigos era assim. Gênova, Lisboa, Rio, faziam com que cidades grandes ficassem em volta. Durante muitos anos acreditou-se na aviação como porto. Põe o aeroporto e nasce cidade em volta. Já se provou que por estatísticas e estudos que isso não acontece mais. Porque as cidades estão tão desenvolvidas e a logística tão complexa que não basta ter ao aeroporto para atrair. Precisa ter condições fiscais, condições de transporte terrestre, energia elétrica, residência para os funcionários, serviços. Não é trivial. No Nordeste deve-se ter dois HUBs. Passageiros e um de cargas bem feito.

VSA – O senhor tem 12,6% da verba do Sebrae. Como difundir a cultura exportadora?
Barioni - Alguns números são muito importantes. São 16 milhões de empresas no Brasil, se contarmos o setor de prestação de serviços também, e apenas 20 mil exportam. O Sebrae está em 5.583 municípios. Estamos agora fazendo 18 anos. Nós precisamos muito aumentar esta base de atendimento, mas antes de pedir qualquer reforço de verba, nós temos ainda muito a fazer para mudar esta base e ter muito mais empresas exportando. E isto dá para fazer com este orçamento que temos, tranquilamente. Começamos com redução de custos internos.Já estamos aí com quase R$ 10 milhões economizados no ano. Quando aumentarmos a base de empresas, aí sim a gente fica à vontade para pedir aumento ao Governo. Hoje temos R$ 534 milhões. Isto vem do Sistema S, não passa pelo Tesouro Nacional. Por lei 12,6% do Sistema S do Sebrae vem
para a Apex.

VSA - De que modo a Apex cria exportadores?
Barioni – Primeiro capacitando as empresas. Deseja exportar, procura a Apex e a gente capacita – em qualidade , processos e etc. A segunda fase é colocar esta empresa nos eventos internacionais. Este ano mais de 1 mil eventos (3 por dia). Nosso setor de Inteligência verifica onde é melhor a empresa ir. Em terceiro, quando já forte no mercado internacional, ajudamos. Depois, a tarefa da Apex está encerrada.

VSA - Em que medida o empresário brasileiro é acomodado e espera pela Apex naquilo que ele deveria fazer?
Barioni - Se tem uma coisa que o empresário não é acomodado. Não dura três meses (risos). 

 

20 mil

Este é o contingente total de empresas exportadoras no Brasil, ante universo de 20 milhões de companhias

 

25º o ranking

O Brasil é a sétima economia do mundo, mas ocupa a 25ª posição no ranking de exportações.

 

NÃO É SÓ ESPUMA CERVEJAS TÊM MUITO PESO
Levantamento inédito mostra que o setor de cerveja representa 22% da indústria do Ceará, segundo cruzamento de dados do IBGE e da Fundação Getúlio Vargas. O total de postos de trabalho diretos, indiretos e induzidos gerados pelo setor cervejeiro no Estado passa de 85 mil, o que representa uma massa salarial de mais de R$ 561 milhões. Em São Paulo, corresponde a 13%. No Brasil, a indústria da cerveja representa 14% da indústria, emprega quase 2,3 milhões pessoas em toda a cadeia e gera uma massa salarial de R$ 23,6 bilhões. No Brasil, as quatro maiores fabricantes estão juntas na numa associação criada em 2012, a Cervbrasil. Ambev, Brasil Kirin, Grupo Petrópoli e Heineken Brasil respondem por 96% do mercado nacional.

 

ALVARÁ FÁCIL
Fortaleza é um dos municípios integrantes da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim), sistema que propõe a simplificação de procedimentos e a redução da burocracia nos processos de abertura, fechamento, alteração e legalização de empresas em todo o Brasil. Terá o nome de Alvará Fácil e será expedido somente para atividades de baixo risco. O sistema, online, prevê que o cidadão solicite, a licença, por meio da Internet.

 

SOL NÃO É TUDO
O grupo chinês BYD decidiu-se por Campinas (SP) para instalar a primeira fábrica de painéis solares fotovoltaicos no Brasil. Investimento declarado de R$ 150 milhões. A meta é produzir 400 MW de painéis por ano. O grupo é um gigante chinês com 180 mil empregados em 15 unidades pelo mundo. Já tem em Campinas R$ 100 milhões na instalação de fábrica de ônibus elétricos.

 

TRIPADVISOR
Os dois hotéis da DJ Hotelaria (Demétrio Jereissati) - o iu-á hotel, em Juazeiro do Norte, e o Verdegreen, em João Pessoa (PB) - receberam o Certificado de Excelência 2015 do TripAdvisor. O iu-á fora eleito, no início do ano, um dos 25 melhores hotéis do Brasil pelo portal, enquanto o paraibano recebe desde 2012. O TripAdvisor usa um algoritmo próprio. Considera qualidade, a quantidade e a recenticidade das avaliações e opiniões publicadas pelos viajantes em 12 meses.

 

HOJE À NOITE

Ele alertava para o efeito danoso do representamento do preço dos combustíveis pela Petrobras, isto ainda no Governo Lula. Agora, em meio ao escândalo da Operação Lava-Jato, vê-se que Bruno Iughetti tinha razão. A conta do prejuízo é bem maior do que o roubado pela quadrilha. Bruno conversa sobre isto, refinaria no Ceará e mudança de parque de tancagem do Mucuripe para o Pecém no programa desta semana. Às 22 horas, no 48 UHF, 23 Multiplay, 24 NET e www.tv.opovo.com.b

 

HORIZONTAIS

Nesta terça, 26, o Sistema Fecomércio entrega da Medalha Clóvis Arrais Maia ao empresário João Carlos Paes Mendonça, presidente do grupo JCPM. Em 2014, foram capacitadas mais de 3 mil pessoas no RioMar Fortaleza, por meio do Senac. O total de empregos gerados hoje pelos dois shoppings - Papicu e Presidente Kennedy (em obras) é de 7.824 vagas n De segunda a sexta tem Vertical S/A em quatro edições por dia, a qualquer momento, nas rádios 106.7 FM e O POVO CBN 95.5 n Cidadania ativa na sociedade brasileira é o tema a ser proferido pelo antropólogo Roberto DaMatta, no lançamento do projeto Controle Cidadão, realizado pelo Tribunal de Contas do Ceará, em parceria com a Fundação Demócrito Rocha (FDR). Na quinta-feira (28/5), às 15 horas, no Auditório do Edifício 5 de Outubro

 

Ontem e hoje
O economista cearense Mansueto Almeida, licenciado do Ipea e um dos principais assessores econômicos do então candidato Aécio Neves (PSDB), desenha um cenário bem menos poliânico do que a equipe econômica do Governo. Para ele, que esteve em Fortaleza na sexta-feira em conversa com empresários, o ajuste fiscal do Governo Dilma ão será rápido.  

 

JOGO RÁPIDO
Que situação a do governador Camilo Santana (PT)... herdou um monte de carnê pra pagar, não tem dinheiro e não pode reclamar.

Compartilhar
espaço do leitor
Adalberto 26/05/2015 14:36
Vejo através dessa entrevista que esse Sr. desconhece completamente as características técnicas do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante em relação aos aeroportos de Recife e Fortaleza. Desconhece também que o HUB não nasce do nada. Exemplo é o HUB de DUBAI, talvez o maior do mundo, que hoje tem essa capacidade por conta da Emirates. O HUB de Dubai nasceu do nada, no meio do deserto e hoje é o que é por conta mais precisamente da Emirates. O Aeroporto de SGA é um HUB por natureza.
1
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

Vertical s/a

RSS

Vertical s/a

Jocélio leal

Escreva para o colunista

Atualização: Domingo

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

Economia

  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

Newsletter

Receba as notícias da Coluna Vertical S/a

Powered by Feedburner/Google